LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

quarta-feira, 15 de abril de 2009

A ODISSÉIA DO LIXO EM IPIAÚ




Praça do Cinqüentenário, 17:40 horas do dia 15 de abril de 2009. As cenas fotografadas por mim chocaram também as pessoas que ali passavam.

Existem 04 tonéis para colocação de lixo para expurgo e reciclagem conforme foto. Porém quem teve a feliz idéia de soldar aqueles tonéis a uma base de ferro, provavelmente não imaginou como o lixo seria retirado de lá, ou então não providenciou para que o lixo tivesse realmente o destino adequado.

Estacionado ao lado estava o papa-tudo (aquele sistema moderno e caro implantado pelo novo prefeito Dr. Deraldino, sem licitação, no valor de R$ 1.119.158,76(hum milhão, cento e dezenove mil,cento e cinqüenta e oito reais e setenta e seis centavos) diga-se de passagem). Três garis derramam o lixo na praça e com caixas plásticas vão jogando o lixo no caminhão.


Começo a fotografar e me aproximo deles para conferir o destino daquele lixo (vidros, garrafas quebradas; restos de comida, latas, plásticos, papel, papelão e tudo que se possa jogar fora). Um dos garis disse que aquela era a única forma de tirar o lixo, pois eles não podiam “enfiar a cara” devido ao fedor. Disse também que já havia falado lá na prefeitura sobre a dificuldade daquele serviço.



Mas eu questiono o seguinte: Para que colocar tonéis pintados para recolher material para reciclagem se não existe um programa específico funcionando na cidade?

O inferno está cheio de pessoas bem intencionadas. Será que foi usado dinheiro público na confecção dessa idéia mal elaborada?

Se a idéia inicial era reciclar, os tonéis não estão cumprindo o seu papel, pois, a população desinformada está colocando ali o lixo comum não reciclável, e o que pode ser reaproveitado está indo junto para o LIXÃO.

Quem é o responsável? Que ele apareça e providencie levar à população as informações necessárias sobre reciclagem, inclusive fornecendo material apropriado para o seu recolhimento a domicílio. Quanto aos tonéis que ficam nas vias públicas seria melhor serem substituídos por unidades próprias para coleta seletiva já à venda no mercado.

Pelo que vi, aqueles tonéis só servem para iludir, fazer a população pensar que Ipiaú está fazendo a sua parte para salvar o planeta,

De que adianta a população ter o trabalho de separar o seu lixo se não existe coleta seletiva e tudo se transforma em papa lá no papa-tudo da Biotech?

Sugiro ao pessoal da prefeitura acessar o site

http://www.lixo.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=12&Itemid=26

pois lá tem seminários, curso à distância entre outras informações de como proceder nesses casos, além de procurar informação também no PAPAMEL, bem ali na rua Alfredo Brito, 88. ( Se é que a idéia não tenha sido do próprio PAPAMEL), vamos ver!










Um comentário:

Elis disse...

Deveriam ser adotadas medidas para a capacitação do pessoal da coleta do lixo, através de palestras e cursos. Aliás, essas palestras deveriam ser para a população em geral, pois a educação ambiental é fundamental. Não adianta colocar latas de enfeite no meio da cidade se no final das contas tudo vai para o mesmo lugar e de qualquer jeito. Uma coleta seletiva de lixo pode gerar, se bem coordenada, uma renda para pessoas que possam vir a reciclar esse material.
É uma pena que as pessoas não levam isto a sério...