LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

O ponto alto da Política Externa

Noblat, Mainardi e Míriam Leitão espumam de raiva: Lula é um sucesso internacional.

O analfabeto político vai odiar isto. E exatamente por isto direi que a Política Externa de Lula é um sucesso absoluto. Não é resultado da sorte, dos dotes histriônicos ou do fato de a figura de Lula ter caído no gosto da mídia mundial. O Itamaraty não improvisa e o sucesso não é do acaso nem da boa estrela de Lula: é fruto de trabalho duro e, principalmente, de uma análise e um planejamento corretos. O fato de os holofotes do mundo estarem hoje voltados para Lula (ele na ONU e Zelaya protegido na embaixada brasileira de Honduras), apenas coroa um esforço proficiente de quase oito anos.

Desde o primeiro dia do primeiro governo Lula, a dupla que comanda nossa Política Externa, o chanceler Celso Amorim e o secretário-geral do Itamaraty, Samuel Pinheiro Guimarães, a partir de um diagnóstico correto, estabeleceram três objetivos estratégicos a serem seguidos: a- adequar nossa política externa, tacanha durante Collor e FHC, ao tamanho e a importância do país; b- Alçar o país à condição de líder natural, político, econômico e militar, da América do Sul e c- enfrentar de forma serena porém consistente – sem a verborragia e as bravatas do nacionalismo de fachada -, a hegemonia norte-americana no Continente.

A mídia apátrida, jamais admitiu isto e os beletristas (sem embargo de serem analfabetos políticos) a seu serviço sempre denegriram e achincalharam nossa política externa. Mas, ao cabo de sete anos, aí estão os resultados: a- o Brasil reconhecido mundo a fora como potência emergente (emergente e simpática); b- exatamente como acontecia há vinte anos em relação aos EUA, hoje nada que ocorra no continente sul-americano deixa de dizer respeito ao Brasil e c- o pais é consultado, ouvido e geralmente seguido. É a liderança natural e, exceto na Colômbia e no Peru, dois países na contramão da História, a influência norte-americana no Continente é igual a zero.

Há um mês divulgamos neste blog trechos de um documento desconhecido fora do âmbito diplomático, assinado pelo secretário-geral do Itamaraty ,embaixador Samuel Pinheiro Guimarães. Vamos reproduzi-los aqui, como uma espécie de prova do que dissemos nos parágrafos acima.

Para o embaixador, “o MERCOSUL (a Argentina e o Brasil em particular) enfrentam três desafios de curto prazo no processo de articulação de um papel autônomo no sistema mundial, multipolar, em gestação: A – Resistir a uma absorção na economia e no bloco político norte-americano, que está avançando rapidamente, de maneira disfarçada, por meio de negociações da ALCA e dos TLCs (tratados de livre comércio) e da dolarização gradual. Benfrentar uma possível intervenção militar externa na Colômbia e eventualmente em toda a região amazônica. C – Recuperar o controle sobre as políticas, doméstica e externa, no momento sob controle do FMI (e da Organização Mundial do Comércio)”.

Segundo o embaixador, a construção “paciente, persistente e gradual da união política da América do Sul e uma recusa firme e serena de políticas que submetam a região aos interesses estratégicos dos Estados Unidos tem que ser objetivo da nossa política externa e o MERCOSUL é um instrumento essencial para atingir esse objetivo”. E Pinheiro Guimarães ressalta que “MERCOSUL significa Brasil e Argentina, da mesma forma que União Européia Alemanha e França e Nafta (Mercado Comum Norte-Americano) significa Estados Unidos e Canadá”, para acrescentar “que sem uma cooperação próxima entre Brasil e Argentina, a ação coordenada no MERCOSUL seria uma total impossibilidade”.

http://fatosnovosnovasideias.wordpress.com/9-ultima-hora/

.

Nenhum comentário: