LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Oposição é infantil e mimada






As pesquisas ainda não refletem totalmente um fato que os oposicionistas irão descobrir em alguns meses: eles não têm chance. Menos pela disposição da sociedade em relação à forma como o país está sendo conduzido do que pelo discurso capenga de quem acredita que irá substituir os atuais condutores do país simplesmente porque quer.

Sim, a oposição (Serra e FHC, sobretudo) é mimada pela mídia. Acha que pode conseguir o que quiser fazendo beicinho e pirraças. Mas a direita também tem uma estratégia, além de ser voluntarista.

A aposta na burrice popular já foi uma boa estratégia eleitoral para os conservadores, para os que não querem estender o século XXI a todos os brasileiros, aos que não aceitam dividir os aeroportos com a classe C, aos que não suportam vê-la comprando carros zero quilômetro ou ingressando em universidades. Mas não é mais.

Dirão que “O povo continua tão estúpido quanto sempre foi” simplesmente porque continua não recebendo educação de qualidade. Não discordo de que são poucos os que têm acesso a boas escolas e universidades e de que ainda são raros os que se informam. Além do quê, temos uma cultura conservadora, refratária a mudanças, cravada na alma nacional durante séculos pelo topo da pirâmide.

Contudo, a grande arma da direita sempre foi dizer ao povo que tudo que ele está alcançando não seria possível alcançar. Pobre na universidade? Porteiro de prédio comprando carro zero? Salários e nível de emprego aumentando sem parar? O Estado investindo? Tudo demagogia ou “populismo”, diziam.

A tese da direita era a de que se o brasileiro caísse na loucura de votar na esquerda, o país viraria uma Cuba, teríamos volta da inflação, enfim, o Brasil sucumbiria e depois levaria muito tempo para consertar o estrago “dos comunistas”.

Isso tudo foi dito em 2002. Não dá para apagar essa memória da sociedade, por mais que a lembrança do fato esteja adormecida. Será preciso apenas avivar a memória das pessoas. Bastará a campanha de Dilma pôr na tevê o que dizia Regina Duarte sobre Lula no programa eleitoral de Serra.

Não será preciso nem lembrar ao país como ele melhorou contra as previsões do mesmo Serra que, apesar de não ter acertado no que previu, virá dizer que desta vez acertará e, assim, fará mais do que fez aquele que disse, há oito anos, que não faria nada além de “transformar o Brasil numa Argentina”.

À época, o país vizinho afundava numa crise decorrente de política econômica extremamente parecida com a do Brasil de então. Mas, já naquele tempo, o PSDB e o PI apostavam na burrice. Achavam que, como o brasileiro seria burro e medroso, poderiam fazer com que acreditasse que o Brasil NÃO podia mais e que Lula prometia o impossível.

Mais uma vez a direita apostará na burrice, como em 2002 e em 2006. Continua desprezando a sociedade ao se apresentar como mais qualificada mesmo que os fatos berrem o contrário. E aposta na amnésia popular, em que o povo já tenha esquecido como era sua vida na época de FHC.

Mas a aposta mais estúpida do PSDB e do PI é a de acharem que podem convencer a população de que tudo que aconteceu de bom no Brasil depois que deixaram o poder é mérito deles e não de quem assumiu o governo. É quase como se achassem que os brasileiros têm tanta raiva de Lula que estão doidinhos para crer na primeira teoria maluca contra ele que surgir.

É por isso que repito o que venho dizendo há cerca de um ano, que acredito tanto na vitória de Dilma quanto acreditava que a crise seria mesmo uma marolinha, que Serra seria candidato de qualquer forma, que a pesquisa Datafolha cheirava mal e em tudo mais que disse e que acabou se confirmando.

É chute do Eduardo, dirão, como disseram tantas vezes. E não me oponho. Acho até bom. Mas, como eu fazia já em setembro de 2008 – quando a crise aportou por aqui –, só peço que não se esqueçam de mais este prognóstico, que, como os anteriores, baseia-se apenas na lógica, que não se abala com pirraça de conservadores mimados.

http://edu.guim.blog.uol.com.br/
.

Nenhum comentário: