LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Pesquisas põem em xeque a estratégia de Serra

http://www.cartamaior.com.br/templates/index.cfm

Entre a pele de cordeiro que leva água para o moinho de Lula --e a hidráulica eleitoral faz chegar até Dilma; e a pele de lobo que sanciona o escrutínio plebiscitário e o contrapõe a um Presidente com 83,7% de apoio popular, Serra vive o dilema clássico em que nenhuma solução é boa. Se correr o bicho pega; se ficar o bicho come. É o que mostra a virada de Dilma nas pesquisas dos últimos dias mas, sobretudo, os dados adicionais do levantamento da CNT/Sensus desta 2º feira, a saber:

a) 60,8% dos brasileiros estão dispostos a votar no candidato à Presidência da República apoiado por Lula --não é o caso de Serra; b) 55,4% não votariam num candidato que tem o apoio de FHC --é o caso de Serra; c) Dilma representa, para a maioria dos eleitores (54,6%), a continuidade das políticas econômicas e sociais do governo Lula; d) 57,1% acreditam que o governo Lula gerou o maior número de benefícios econômicos e sociais desfrutados atualmente pela sociedade. Apenas 17,4% mencionam FHC nesse quesito. Enfim, mal começou a campanha e Serra já não convence mais ninguém no papel de 'continuador' das políticas de Lula. Vai para o confronto?

(E ainda por cima, até a OTAN elogia o acordo com o Irã;Carta Maior, 18-05)

Nenhum comentário: