LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Ignorada por Serra, convenção do PPS expõe crise na oposição




O maior constrangimento coube ao presidente nacional do PPS, Roberto Freire. Certo da presença de Serra, ele fez com que a convenção, marcada para as 17h, começasse com quase três horas de atraso. Quando decidiu começar seu discurso de abertura mesmo sem a presença do tucano, Freire foi logo interrompido pelo toque de seu celular: “É o Serra”, disse, antes de deixar o palco por alguns minutos. Quando retornou, visivelmente constrangido, Freire pediu desculpas, avisou que Serra não apareceria e transmitiu um recado do tucano.

Maurício Thuswohl

RIO DE JANEIRO – Era para ser uma festa, mas o principal convidado sequer compareceu. Realizada na noite de sábado (26) em um hotel no Rio de Janeiro, a convenção nacional do PPS homologou a participação do partido na aliança de sustentação ao candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra. Aguardado para pronunciar o discurso de encerramento da convenção, o candidato tucano, no entanto, desistiu na última hora de fazer a viagem de Manaus - onde se encontrava após participar da festa do boi em Parintins - ao Rio, para frustração dos militantes do PPS e dos candidatos a deputado presentes.

O maior constrangimento coube ao presidente nacional do PPS, Roberto Freire. Certo da presença de Serra, ele fez com que a convenção, marcada para as 17h, começasse com quase três horas de atraso. Quando decidiu começar seu discurso de abertura mesmo sem a presença do tucano, Freire foi logo interrompido pelo toque de seu celular: “É o Serra”, disse, antes de deixar o palco por alguns minutos. Quando retornou, visivelmente constrangido, Freire pediu desculpas, avisou que Serra não apareceria e transmitiu um recado do tucano.

“Estávamos aguardando a confirmação da vinda do Serra. Ele chegou no Amazonas (sic) agora, vindo de Parintins, e não poderá esta aqui. Mas, ele mandou um abraço aos camaradas do PPS. Ele lamenta, mas chegou em Manaus realmente estourado e não teria tempo de estar aqui”, disse Freire, antes de acrescentar: “O Serra manda dizer que está firme e que é importante nós todos sabermos que ele não é alguém que morre apenas com a zoada de um tiro”.

A “zoada” citada por Freire tem múltiplas origens. A maior delas é o resultado da última pesquisa divulgada pelo Ibope, que mostra a candidata do PT, Dilma Rousseff, com 40% das intenções de voto e pela primeira vez consolidada à frente de Serra, que aparece com 35%. Outro problema para o tucano é a crise instalada em sua aliança desde o anúncio de que o vice em sua chapa será o senador Álvaro Dias (PSDB-PR). Para completar, o clima entre o PSDB e o PPS no Rio azedou desde que a direção nacional tucana tentou emplacar um candidato próprio ao Senado em detrimento da candidatura de Marcelo Cerqueira (PPS). Tudo isso explica a ausência de Serra, mas o desânimo dos cerca de 300 militantes do PPS presentes à convenção nacional do partido com a falta do “dono da festa” era contagiante.

A ausência de dirigentes ou até mesmo militantes dos outros partidos que compõem a aliança pró-Serra também serviu para esfriar a convenção do PPS. Pelo PSDB, falou o deputado estadual Luiz Paulo Corrêa da Rocha, único parlamentar tucano presente. A grande atração foi mesmo o candidato ao Governo do Rio, Fernando Gabeira (PV), que mereceu demorados aplausos, mas fez um discurso de menos de dez minutos. Gabeira chegou à convenção do PPS sozinho, sem a presença de nenhum dirigente ou parlamentar do PV. Na ausência de nomes com maior peso político, além de Freire, Gabeira e Cerqueira, foram chamados para compor a mesa, os vereadores Stepan Nercessian (PPS-RJ) e Soninha Francine (PPS-SP).

Vaga para o Senado
O presidente do PPS no Rio de Janeiro, deputado estadual Comte Bittencourt, falou sobre a crise envolvendo as candidaturas ao Senado: “Quero pedir o empenho de todos os companheiros para eleger Marcelo Cerqueira, pois essa é uma luta que levaremos até o fim. Em tempos de Copa do Mundo, podemos dizer que lutamos por essa candidatura até o fim do segundo tempo, quando ainda teve esse movimento para tirar a vaga do PPS. Mas, a direção do partido no Rio se colocou de forma intransigente, não só em relação à aliança que foi firmada e aos compromissos assumidos, mas principalmente em respeito à história de Marcelo Cerqueira”, disse, antes de pedir a Roberto Freire que levasse a José Serra “a mensagem de que aqui nesse ninho não tem crise”.

Cerqueira, por sua vez, não comentou diretamente a crise envolvendo a proposta de retirada de sua candidatura, iniciada quando a direção nacional do PSDB recomendou à regional fluminense do partido “lançar uma candidatura própria ao Senado para fortalecer o 45 (número do PSDB)”. O candidato do PPS preferiu lembrar sua “longa amizade, desde os tempos da UNE” com Serra e elogiar o fato de o tucano ter escolhido um ex-militante comunista, Alberto Goldman, como vice em sua chapa para o Governo de São Paulo nas eleições de 2006. Cerqueira citou ainda o ex-prefeito Cesar Maia (DEM), que também concorre ao Senado na chapa de Fernando Gabeira e foi outra ausência sentida na convenção, como “nosso companheiro nessa caminhada”.

Gabeira lembrou “a longa caminhada em comum” trilhada pelo PV e pelo PPS: “São forças que lutaram contra a ditadura militar, e as eleições são a coisa de mais importante que há desde o fim da ditadura. É uma sorte que os principais candidatos à Presidência do Brasil nas próximas eleições sejam oriundos desse campo de oposição à ditadura”, disse. O candidato verde não mostrou muito entusiasmo com o desempenho de Serra nas últimas pesquisas de opinião: “Sabemos que é uma eleição difícil, sabemos que há muita coisa pelo caminho”, disse. Depois, acrescentou: “Nosso objetivo é avançar na democracia brasileira. Devemos nos apresentar nestas eleições a uma parte da sociedade [que não apóia o governo Lula] e dizer que podemos ganhar ou perder, mas vamos continuar lutando ao lado dela”

Tom pessimista
Vários foram os discursos onde a eventual derrota de Serra nas eleições estava subentendida, como no caso candidato do PPS ao Senado: ”Estamos construindo para o futuro uma frente política, ideológica, republicana, brasileira e patriótica. Que frente é esta? São os liberais, os social-democratas e os socialistas”, disse Marcelo Cerqueira, para quem “uma síntese dessa aliança é Fernando Gabeira”. Falando em nome do PSDB, o deputado Corrêa da Rocha, mesmo afirmando que Serra “tem uma grande aliança”, seguiu no mesmo tom: “Temos uma excelente perspectiva eleitoral e, mais ainda, um futuro muito promissor”, disse.

O discurso mais crítico e contundente contra o PT e o governo Lula foi feito por Roberto Freire, mas as palavras do presidente nacional do PPS acabaram ecoando a falta de propostas políticas concretas até aqui demonstrada pela oposição e se concentraram em temas como “mensalão”, “desvio de conduta”, “deboche de Lula com a Justiça Eleitoral” e “aliança com Sarney”, entre outros.

Freire lembrou que “o PPS rompeu com o PT ainda em 2004”, fez críticas à política econômica do governo Lula e pediu a concretização em torno de José Serra de um projeto nacional de desenvolvimento: “O Brasil se transformou em um mero cassino que se satisfaz em obter ganhos de euforia a base de consumo e pensar que, com o consumo, nós temos desenvolvimento sustentável. É um vôo de galinha, e o PPS vem avisando isso há muito tempo”, disse.

Álvaro Dias
Também coube a Freire à defesa do nome do senador paranaense Álvaro Dias, cuja escolha para vice na chapa de Serra gerou uma crise em âmbito nacional com o DEM: “Existe um consenso em torno do Álvaro. Nós, que fizemos esta aliança e que vamos enfrentar um governo que não tem limites, temos que estar unidos. É um nome que pode significar uma boa composição com o Serra e é com ele que vamos para a luta”, disse.

Freire alfinetou a direção do DEM que, em protesto à escolha de Dias, não enviou representante à convenção nacional do PPS: “Serra não vai se submeter a imposições de quem quer que seja”, disse. Na véspera, o presidente nacional do DEM, deputado federal Rodrigo Maia (RJ), afirmara à imprensa: “A eleição nós já perdemos. Não podemos perder o caráter”. O tom da declaração e as ausências dos Maia e de Serra na frustrada festa do PPS mostram que, às vésperas do início oficial da campanha eleitoral, a aliança de oposição ainda tem muitas arestas políticas a aparar.

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16741
.

Nenhum comentário: