LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

terça-feira, 27 de julho de 2010

A tática do medo

Posted by eduguim on 7/26/10 • Categorized as Opinião do blog


Quem não leu a última edição da revista IstoÉ, deveria ler. A reportagem que a revista fez sobre a tática do medo com que a oposição serro-tucano-pefelê-midiática tenta fazer pender para seu lado a balança eleitoral é explicada de uma forma ágil e inteligente, na capa da revista.


A imagem acima omite os conceitos simples escritos nos fantasminhas que flanam ao redor dos rostos tétricos de José Serra e de Índio da Costa. Farc, PT, sem-terras… Enfim, todos esses conceitos absolutamente incompreensíveis e inverossímeis com que a direita tenta, mais uma vez, assustar os brasileiros diante de uma candidatura do PT.

Isso depois de um governo petista de oito anos em que ficou provado que o PT não tocaria fogo no país, não o transformaria em Cuba, não confiscaria poupanças nem obrigaria as famílias de classe média a dividirem suas casas com favelados, etc.

Para bem lembrar de quanto já se tentou nesse sentido, a revista compôs um gráfico (vide a primeira imagem do post) mostrando os fantasmas petistas com os quais a direita vem tentando assustar o eleitorado desde a redemocratização de fato do país, quando este pôde votar livremente para presidente depois de mais de duas décadas.

É inegável que já funcionou, e bem. Em 1989, 1994, 1998 e 2002, de fato a direita transformou a esquerda no bicho-papão como fizera durante praticamente todo o século XX. Em 2006, de fato foi a vez da esquerda de promover o medo, só que, à diferença de sua antítese, falando a verdade, pois a direita tucano-pefelê-midiática já fez o que a esquerda petista disse que faria, ou seja, privatizou adoidado, ao contrário do que disseram que o PT faria se chegasse ao poder e que o partido NÃO fez.

Parece um raciocínio intrincado, mas é bem simples. O PSDB governou e privatizou e quebrou o povo e o país várias vezes, mas o PT governou e não transformou o Brasil em Cuba – para o bem e para o mal –, não confiscou a poupança e nem colocou as famílias das empregadas das madames para morar junto com elas nas suas coberturas na Vieira Souto ou nas suas mansões no Morumbi.

E ninguém vai acreditar que o PT vende drogas nas horas vagas…

É isso que a direita tem como estratégia, fazer o país acreditar que o PT é uma serpente repugnante de várias cabeças que, agora, depois de oito anos no poder, passará a vender drogas e a fuzilar quem não aceite dividir a residência com favelados?

Tenho algumas dúvidas:

O que significa “relação com as Farc” associado a “narcotráfico”?

Qual é a idéia-força que se tenta vender ao país, que o PT é uma organização criminosa travestida de partido político?

Isso é fazer política? É alguma nova espécie de debate democrático? É com isso que as pessoas estarão preocupadas quando forem votar, em outubro?

Se for, meus amigos, este país merecerá tudo de mal que Serra e sua trupe irão lhe fazer se forem eleitos.

http://www.blogcidadania.com.br/2010/07/a-tatica-do-medo/

Nenhum comentário: