LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

sábado, 30 de outubro de 2010

Dilma não se resume a Lula



30th outubro
2010
written by Paulo Nogueira

A força dela não vem apenas de Lula

É uma simplificação dizer que Dilma está prestes a se eleger apenas porque foi apoiada por Lula. Se fosse tão claro assim que o candidato de Lula se elegeria, quaisquer que fossem as credenciais, Serra teria pulado fora, como fez em 2006.

Quando Dilma foi confirmada, a distância entre Serra e ela era enorme. Ela já era a escolhida de Lula. Havia uma longa caminhada que só ela poderia trilhar – e não Lula. Entrevistas, debates, as cascas de bananas de escândalos em série: se Dilma fraquejasse, seria apenas mais uma candidatura oficial falecida na história do Brasil.

Dilma se saiu bem na campanha, tanto mais que no meio dela teve que lidar com um câncer. Reside aí minha principal preocupação, de resto. Entendo que uma equipe médica independente deveria garantir aos brasileiros que o prognóstico para Dilma é positivo. E acho também que isso deveria ter sido uma iniciativa do próprio PT.

O Brasil teve que aturar José Sarney por problemas médicos de Tancredo Neves. Raios podem cair duas vezes num mesmo lugar.

Enfrentar o desgaste de uma campanha sob um diagnóstico tão duro mostra a garra de Dilma. Ela não se vergou. É, de fato, uma guerreira.

Dilma foi bem, e acabaria beneficiada pela desastrada campanha de Serra. Serra cometeu todos os erros que alguém poderia fazer. Foi demagógico nas promessas irresponsáveis, hipócrita na simpatia fajuta e abjeto nas táticas baixas que adotou: deixar que sua mulher dissesse que Dilma gosta de “matar criancinhas” foi um horror. Se não deixou, pecou ao não pedir desculpas publicamente a Dilma, ou pedir que sua mulher o fizesse. A tomografia já entrou para o anedotário nacional. O pacote inteiro: a dor simulada, a bolinha captada pelo SBT, a tomografia, o médico sem graça – e a patética tentativa da TV Globo de confirmar a agressão.

Não me vi, em muitos anos, representado no PSDB.

Para mim, é simples agora. Ou o PSDB acaba com Serra ou Serra acaba com o que restou do PSDB. A causa do partido não pode se resumir num homem obcecado com a presidência.

Tive alguma apreensão quando Lula se elegeu em 2001. Ele desmentiu meus receios e os de tantos brasileiros. Ele foi responsável com os mais favorecidos, sem deixar de colocar foco nos menos. Por isso é tão aprovado num momento em que quase todo presidente já não encontra quem lhe sirva um café quente no palácio.

Não conhecia Dilma em profundida. Gostei do que vi. Estou confiante de que teremos uma boa presidenta.

Nenhum comentário: