LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

terça-feira, 19 de abril de 2011

Lula: reforma política deve buscar participação social


O ex-presidente Lula disse ontem que a reforma política precisa de uma “construção consensual”, que envolva não apenas os partidos, mas as organizações e redes sociais. Lula participou ontem de um encontro com dirigentes do PT, mas preferiu gravar exclusivamente para o site mobilização.br, fazendo um pedido especial às redes sociais:

- Os nossos companheiros das redes sociais podem contribuir muito, na medida em que divulguem as coisas, na medida em que coloquem os seus pensamentos, na medida em que a gente faça um debate – eu diria – muito forte. No fundo, no fundo, o que nós queremos é valorizar os partidos políticos.

Lula defendeu a fidelidade partidária e o financiamento público das campanhas. E disse que está disposto a capitanear o debate.

- Agora, eu, para participar disso, tenho que construir um consenso com as forças políticas que estão dentro do Congresso Nacional, sobretudo com aquelas que apóiam a minha Presidenta.

Nenhum comentário: