LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Marcelino Galo participa de atividades em Eldorado dos Carajás

 

O deputado estadual pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Marcelino Galo, participou ontem (domingo, 17 de abril) de uma série de atividades em Eldorado dos Carajás, no Pará, que lembrou as vítimas do massacre de 1996, quando 22 trabalhadores rurais sem terra foram brutalmente assassinados e outros 69 ficaram feridos. Galo falou para mais de 2,5 mil pessoas durante ato político e caminhou com militantes e representantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). A caminhada começou na antiga fazenda Macaxeira, hoje Assentamento 17 de abril, e foi até a Curva do S, local onde aconteceram os atentados.

 

"Cobramos a punição aos responsáveis por esse massacre, que completa 15 anos de impunidade, e o avanço na consolidação de políticas públicas que acelerem a reforma agrária no Brasil. Para ter uma ideia da importância da reforma no campo, cito o Assentamento 17 de abril, que mantém 690 famílias produzindo alimentos e que hoje já correspondem a 20% do abastecimento do mercado local. Para isso, cada família possui propriedade de 25 hectares", salienta Galo. O deputado ainda diz que "com a reforma agrária a demanda da cidade será coberta pela produção dos assentados, o que hoje não acontece nos estados brasileiros".

 

As ações no Pará fizeram parte do Abril Vermelho no Brasil e começou no domingo pela manhã com a realização de uma missa em memória das vítimas de Eldorado dos Carajás. Ainda durante a programação do dia, aconteceram shows de artistas regionais e uma apresentação nacional com rappers de São Paulo, que cantaram músicas lembrando do massacre. O parlamentar petista retorna à capital baiana ainda nesta segunda-feira (18) para acompanhar o final das negociações com o MST e o governo do Estado.

 

Justiça com punição

Às famílias das vítimas e aos sobreviventes do massacre, resta apenas a luta pela punição dos culpados, cada vez mais distante, e a ferida jamais cicatrizada diante da perda dos entes queridos. Para relembrar a chacina dos 22 trabalhadores, as famílias sobreviventes da tragédia lançaram esta semana, no Pará, um manifesto dirigido à sociedade e aos governos, lembrando a impunidade dos responsáveis pela operação da Polícia Militar que deixou ainda sequelas em 69 agricultores.

 

Uma lista de reivindicações também acompanha o manifesto, entre elas, a reforma agrária imediata, um programa para assentamento de 100 mil famílias acampadas em todo o país, plano de reestruturação do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e justiça e reparação política e econômica às famílias dos mortos, bem como um plano de julgamento por parte do Tribunal de Justiça (TJ) do Estado para os casos que esperam julgamentos de mandantes e assassinos de trabalhadores sem-terra, indígenas e militantes sindicais e religiosos.

 

Ascom do deputado Marcelino Galo

71 3115 7253



Nenhum comentário: