LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

terça-feira, 3 de maio de 2011

Derli Casali: “A serpente é muito maior do que imaginávamos”

O ex-padre Derli Casal morreu num acidente na BR-242, em direção a Seabra, no último sábado, 30 de abril. Era um líder histórico de movimentos sociais no campo, ligado à Comissão Pastoral da terra (CPT) e Movimento dos Sem-terra (MST).

Casali ajudou a fundar o PT no campo e peitou a extinta organização de direita União Democrática Ruralista (UDR). Depois que abandonou a batina, passou a morar em Araripina, Pernambuco.

O acidente ocorreu na volta de Brasília, onde foi para uma reunião política com lavradores. O deputado federal Valmir Assunção (PT-BA) homenageou na Câmara dos Deputados o líder político lembrando seu passado de lutas.

Nilmário Miranda, ex-deputado federal, ex-ministro dos Direitos Humanos do Governo Lula, em seu blog, comentou que Casali ajudou a fundar o PT no norte do Espírito Santo. E ressaltou que ele atuava no Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA). Casali participou dos movimentos sociais no Vale do Mucuri, em Minas Gerais, onde Nilmário Miranda plantou bases políticas.

No Blog do Nilmário tem um comentário do internauta Geraldo Armando Martins: “A serpente é muito maior do que imaginávamos”, disse Derli Casali em 2003, se referindo ao avanço do eucalipto e a relação com o aumento da violência urbana e rural na área da monocultura.

Nenhum comentário: