LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

domingo, 2 de outubro de 2011

Mídia revela rancor, preconceito e inveja contra Lula

Lula recebeu na terça-feira (27) o título de Doutor Honoris Causa, concedido pelo Instituto de Ciência Política de Paris. O fato foi amplamente noticiado. O que não foi noticiado foram as perguntas cretinas da repórter do jornal O Globo, Déborah Berlinck. Ela questionou de forma acintosa a escolha do Instituto. “Por que Lula e não o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso? Na opinião o deputado Emiliano José (PT-BA), na contramão da história, o questionamento revelou rancor, preconceito e inveja.

De acordo com Emiliano José, a pergunta da repórter é facilmente respondida, para tanto, explica o petista, basta fazer um comparativo dos dois governos e todos chegarão à mesma conclusão a que chegou o Sciences Po, ao premiar o ex-presidente Lula.

"O título foi dado a Lula e não ao Fernando Henrique Cardoso por uma razão muito óbvia, enquanto o governo do FHC foi um desastre, um subalterno diante das grandes potências mundiais; o governo do Lula se preocupou com o nosso povo, promoveu o crescimento com distribuição de renda. Lula foi reconhecido como um líder mundial também pelo seu conhecimento extraordinário da realidade dos povos do mundo. A postura da mídia revela um preconceito profundo contra o conhecimento que não nasce dos bancos universitários", avaliou Emiliano Johttp://www.blogger.com/img/blank.gifsé .

O deputado lembrou que o comportamento dos setores midiáticos balizados no "sistema hediondo do escravagismo não se conformam com o fato de uma pessoa pobre, retirante nordestino, ter chegado à Presidência da República e ter se firmado como uma extraordinária liderança brasileira e mundial", explicou.

http://bahiadefato.blogspot.com/

Nenhum comentário: