LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

domingo, 8 de abril de 2012

A brava Dilma sobe contra políticos malvados

Publicado em 05/04/12 às 11h46

dilma bipolar A brava Dilma sobe contra políticos malvados
Quanto mais o Congresso Nacional e o Judiciário são desmoralizados por seus próprios membros, mais sobe a estrela da presidente Dilma Rousseff, que registrou esta semana novo recorde de popularidade, ao bater nos 77% de aprovação na pesquisa CNI/Ibope, após 15 meses de governo.
Em meio ao mar de denúncias sobre maracutaias variadas que atingem os três poderes da República, incluindo o seu governo, Dilma navega soberana, encarnando a figura do bem contra o mal que colou na opinião pública _ mesmo, e principalmente, entre aqueles que não votaram nela.
Por mais negativo que seja o noticiário sobre o governo Dilma e seu ministério de alta rotatividade, a presidente mantém intacta a sua imagem de mulher brava e destemida enfrentando os políticos malvados e safados que infestam o país.
Cada vez que estoura um escândalo como o do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), até outro dia o mais feroz crítico da oposição demotucana, a presidente Dilma Rousseff ganha ainda mais força para tourear a sua rebelde base aliada com o apoio da maioria da população.
"Mesmo as notícias potencialmente negativas, como prisões e demissões, são lidas como sinais de limpeza e não de sujeira", constata o analista José Roberto Toledo, em sua coluna desta quinta-feira publicada no Estadão, sob o sugestivo título "Dilma Teflon".
De fato, como já havia acontecido com o ex-presidente Lula, Dilma consegue se descolar dos "malfeitos" denunciados no governo e aparecer como a justiceira que vai "dar um jeito nisso", o porto seguro para as nossas angústias, cada vez que terminamos de ler os jornais ou ver o noticiário da TV.
Mas só o desprestígio dos políticos, na contra-mão do crescimento do seu prestígio pessoal na última pesquisa, não justifica esta aparente contradição entre a figura da presidente e a da paisagem política cada vez mais poluída que a cerca.
Para explicar melhor o que está acontecendo, talvez seja o caso de pegar a manchete aqui do nosso R7, que acabei de ler antes de escrever este texto: "Inflação desacelera e é a menor desde março de 2009". Ou seja, as pessoas estão podendo comprar mais gastando menos, que é o que realmente interessa na vida real dos brasileiros: o bolso e o estômago.
Diante disso, o fato de o Ministério da Pesca ter torrado uma verba milionária para comprar 28 lanches inúteis ( e o PT de Santa Catarina ter recebido da empresa fornecedora uma "doação espontânea" para as suas despesas eleitorais) ou um alto assessor do Ministério da Saúde confessar que embolsou a módica propina de R$ 200 mil para saldar dívidas de campanha, fica parecendo coisa menor. Não deveria.
Dilma poderia aproveitar esta maré favorável para enquadrar a sua volumosa e insaciável base aliada, mas também para mobilizar a sociedade na discussão de reformas que o país reclama, a começar pela reforma política e eleitoral.
No artigo que escrevi com o título "É a política, Dilma!" para a edição de  abril da revista Brasileiros, que vai às bancas na próxima semana, no qual faço um balanço dos primeiros 15 meses de governo, procuro mostrar o esgotamento do chamado presidencialismo de coalizão (ou de colisão), inaugurado no governo de José Sarney, matriz do loteamento de verbas e cargos entre os partidos, e das sucessivas crises políticas.
Com o cacife dos seus 77% de aprovação, a presidente Dilma tem a faca e o queijo na mão para inaugurar um novo ciclo político, acabando com o "é dando que se recebe" para montar um governo verdadeiramente comprometido, não só com a estabilidade econômica e as conquistas sociais, mas também com valores e princípios de nação civilizada. De jeito que está, certamente, nem ela aguenta mais.
Caso contrário, o verdadeiro poder político continuará nas mãos dos Carlinhos Cachoeira da vida e de outros "empresários", que transformam políticos em despachantes dos seus interesses privados, tanto no Legislativo como no Executivo.
A hora é agora, presidente Dilma.
Como está na capa do livro sobre a sua vida escrito pelo nosso amigo Ricardo Amaral, "A vida quer é coragem".
Em tempo:
depois de terminar de escrever o texto acima, aconteceu comigo uma coisa que ilustra bem o que quero dizer ao falar da necessidade de resgatarmos "valores e princípios de nação civilizada".
Sem muitas esperanças, fui à feira aqui perto de casa para tentar recuperar um peixe que comprei duas semanas atrás. Explico: pedi e paguei o peixe, mas uma pessoa veio falar comigo, me distraí, e deixei o embrulho sobre o balcão. Será que o vendedor iria lembrar de mim depois de tanto tempo tempo e tantos fregueses?
Ao me ver, antes que eu falasse qualquer coisa, ele me reconheceu: "Não foi o senhor que esqueceu o peixe aqui em cima do balcão?..." Mais do que depressa, pegou outro linguado do mesmo valor, limpou e me entregou.
Até fui cumprimentar o dono da banca de peixe pela honestidade. Para quem estiver interessado em comprar um peixe honesto de gente honesta (ainda tem muita!), anote aí: Barraca do Aldo, montada às quintas-feiras na rua Barão de Capanema e, aos domingos, na Alameda Lorena, no Jardim Paulista.

Fonte: Balaio do Kotscho

Nenhum comentário: