LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

terça-feira, 1 de maio de 2012

Blogueiro progressista se torna ministro e Dilma peita bancos


Posted by  on 01/05/12 • Categorized as Análise

Os trabalhadores não têm do que se queixar neste 1º de maio. Em março, o desemprego subiu para 6,2%, mas, por incrível que pareça, essa é uma boa notícia porque sempre sobe nessa época do ano e, em 2012, teve o menor aumento desde que começou a ser apurado pela metodologia inaugurada em 2002, portanto há uma década.
A massa salarial, por sua vez, segue engordando. A renda média em seis regiões metropolitanas sob escrutínio constante do IBGE cresceu 5,6% acima da inflação apurada nos últimos 12 meses e a renda dos trabalhadores superou a inflação em 7% no período. Como se não bastasse, o consumo vai muito bem, obrigado. As vendas ao varejo subiram 8,7% em 2012.
E não param por aí os motivos de comemoração para a esmagadora maioria de brasileiros que faz o país andar. Dilma teve um senso de timing impecável. Valeu-se de momento em que a atividade econômica impede abusos no consumo e nos preços e tomou duas medidas  que puseram a mídia e a elite a que serve de cabelos em pé.
Ao fazer pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, a presidente driblou todos os malabarismos da mídia para distorcer a queda nos juros liderada pelo Estado e ainda espancou a oposição de esquerda que diz que seu governo é “neoliberal”, pois enfrentar bancos é medida de esquerda que nunca antes fora adotada na história contemporânea deste país.
Uma curiosidade: ontem à noite, no Jornal da Globo, e hoje nas primeiras página da Folha de São Paulo e do Estadão, a manchete foi a mesma, de que Dilma “atacou” os bancos. Os textos irritados mostram bem a quem servem esses meliantes que controlam a mídia no Brasil.
Em poucos minutos de pronunciamento, porém, Dilma anulou todo o noticiário negativo dos últimos 16 meses e encheu os brasileiros de boas notícias, mas não foi só. Ao tornar ministro do Trabalho o blogueiro progressista Brizola Neto, Dilma mandou vários recados políticos não só à oposição demo-tucano-midiática, mas aos aliados: quem manda é ela.
Sobre Brizola, um capítulo à parte. Conheci pessoalmente o novo ministro do Trabalho em meados do ano passado, durante o segundo Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, em Brasília, que contou com a presença do ex-presidente Lula. Pude conversar bem com ele. É um jovem com idade para ser meu filho. Pessoa simples, idéias arejadas e absolutamente progressistas, como o avô.
Para que não se tenha dúvida sobre o ideário político-ideológico e sobre a ser humano que é Brizola Neto, reproduzo, abaixo, um dos vários textos em que ele me cita e que muito me honra. Por esse artigo escrito no momento em que tomei uma medida que influiu na eleição de Dilma, também é possível prever que o jovem ministro deverá sofrer fortes ataques da direita.
Fique, abaixo, com o artigo intitulado “Homenagem a um lutador”, de autoria Carlos Daudt Brizola, mais conhecido como Brizola Neto. O texto foi publicado em 11 de maio de 2010. E bom Dia do Trabalho a você que, com o seu esforço de trabalhador, ajuda a erigir o Brasil pelo qual este povo esperou durante 500 anos.
Clique na imagem abaixo para ir à página original do texto

Nenhum comentário: