LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Kátia Abreu na tropa de choque da Veja



Na quinta-feira (17), integrantes da CPI do Cachoeira tentaram aprovar um requerimento solicitando que a Polícia Federal encaminhe todas as escutas telefônicas em que é citado Policarpo Junior, redator-chefe da Veja. A proposta gerou bate-boca na comissão. De imediato, a senadora Kátia Abreu (PSD-TO) rejeitou a proposta e justificou as relações do jornalista com o crime organizado.

“Às vezes as informações estão no inferno. O jornalista precisa ir até as profundezas do inferno para buscar a informação”, reagiu a senadora ruralista, que preside a Confederação Nacional da Agricultura (CNA). De inferno, a ex-demo entende um bocado!

"Ameaça velada à liberdade de imprensa"

Kátia Abreu teve o apoio inconteste do senador tucano Álvaro Dias, que adora esbravejar sobre ética. Para ele, a convocação do chefão da Veja “é uma ameaça velada à liberdade de imprensa”. Já o senador Pedro Taques (PDT-MT), o novo queridinho da mídia que deve fazer Leonel Brizola revirar na cova, afirmou que o requerimento “se revela como vingança, um autoritarismo”.

Diante da forte reação da tropa de choque da Veja, o relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG), que havia encaminhado o voto favorável ao requerimento, recuou rapidamente. O pedido para o envio das escutas telefônicas, apresentado pelo senador Fernando Collor de Mello e apoiado pela própria bancada petista, acabou nem sendo votado.

O acordão dos barões da mídia

Há um grande esforço para blindar a revista Veja, evitando que Policarpo Jr. e o capo da publicação, Bob Civita, sejam chamados para depor na CPI. Na semana passada, executivos do Grupo Abril e da Rede Globo circularam em Brasília com esta missão sinistra. Há um pacto entre os barões da mídia para abortar a convocação e eles já contam com a sua tropa de choque no Congresso Nacional.

Mas o tema ainda deve render vários bate-bocas na CPI. Em seminário nacional realizado em Porto Alegre, o PT decidiu investir na convocação de Policarpo Jr. e Bob Civita. Em carta divulgada ao final do evento, o partido defende a apuração das ligações “entre o crime organizado e alguns órgãos de imprensa”. O texto rechaça a tese de que a apuração representa um ataque à liberdade de expressão, “como tentam confundir setores da mídia conservadora”.

Ocupando o espaço de Demóstenes

A ruralista Kátia Abreu, o tucano Álvaro Dias e os “pedetistas” Pedro Taques e Miro Teixeira terão muito trabalho para defender a Veja. É certo que ganharão mais algum espaço na principal revista da direita brasileira, hoje também acusada de associação com o crime organizado. Eles poderão ocupar a vaga deixada por Demóstenes Torres, que sempre gozou de prestígio nas páginas da Veja.

Nenhum comentário: