LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

sábado, 8 de setembro de 2012

Marcelino Galo caminha com Waldir Pires e Emiliano José no Grito dos Excluídos em Salvador

O tradicional Grito dos Excluídos, que acontece paralelo ao desfile cívico do 7 de Setembro, foi marcado por protestos e mensagens de combate a opressões sociais. O deputado estadual Marcelino Galo (PT), assíduo participante do movimento, esteve nesta sexta-feira (7), junto com o parlamentar federal Emiliano José (PT-BA) e com o candidato a vereador em Salvador, o petista Waldir Pires, para resgatarem diálogos políticos sobre a campanha do partido na capital e em outros municípios baianos.

 

Segundo Galo essa interação do partido e o crescimento de Pelegrino em novas pesquisas apontam um novo embate para outubro de 2012, que é desfazer a falácia de que quem está na frente é o melhor em propostas no pleito. "Estamos presentes em diversos movimentos sociais e isso é fundamental para mantermos a participação popular, temos as melhores propostas para setores como educação, saúde e segurança, e sabemos aplicar isso. Então, as pesquisas não são absolutas e outras virão para desespero da oposição", dispara o deputado estadual.

 

O Grito dos Excluídos também teve a marca da campanha da Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA), que trouxe faixas com dizeres pedindo o foco nas ações transversais de convívio com a seca, e pedindo o fim da prática da troca de voto por água. "Dividimos anseios e compartilhamos vitórias, participamos de diferentes blocos de protestos e o papel da ASA foi fundamental para divulgarmos a importância de não trocarmos voto por assistencialismo, essa prática tem que acabar, água é um direito do ser humano", completa Marcelino Galo.

 

Ascom Eleições 2012

Deputado Marcelino Galo

71 88789657


Nenhum comentário: