LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Marcelino Galo diz que o PMDB da Bahia vai virar um apêndice do DEM e que Salvador renovou, mas continua com a mesma matriz

Com o resultado das eleições municipais de 2012, o Partido dos Trabalhadores chega a 93 prefeituras em todo o estado. O deputado Marcelino Galo (PT) acompanhou o pleito na Bahia e, neste segundo turno, se dedicou às cidades de Salvador e Vitória da Conquista. Na capital, Galo diz que houve renovação, mas que os problemas continuarão por ser o eleito membro responsável pela atual gestão municipal. Já sobre Conquista, o parlamentar destaca a vitória de Guilherme Menezes e afirma que o PT vai agora para o seu quinto mandato na cidade, com o projeto ainda mais fortalecido.

 

"A eleição em Salvador foi de muita luta, mas infelizmente o PT não saiu vitorioso. Na política isso acontece muito. Agora essa renovação na capital é geracional, mas a matriz é a mesma. E acredito ainda que partidos como o PMDB perderam o rumo em Salvador e tendem a virar um apêndice do DEM", dispara Marcelino Galo.

 

O deputado ainda continua dizendo que uma amostra da fraqueza do PMDB foi a eleição em Conquista, onde perdeu os dois turnos. "Foram mais de 77 mil votos no primeiro turno, contra 63 mil do adversário peemedebista. Neste segundo turno o número de Guilherme subiu para 91 mil, contra 70 mil de Herzem. Em Conquista, o PT teve a participação importante de partidos como o PDT e o PV, que declararam apoio a Guilherme", finaliza.

 

Ascom do deputado Marcelino Galo

www.marcelinogalo.com

71 3115 5596



Nenhum comentário: