LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Caatinga é debatida na Alba e deputado comemora a criação da Agência de Assistência Técnica e Extensão Rural




[Agricultura] - 06.05.2013

Caatinga é debatida na Alba e deputado comemora a criação da Agência de Assistência Técnica e Extensão Rural

 

Durante todo o dia desta segunda-feira (6), a Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) realiza um debate sobre a caatinga, em comemoração ao dia nacional do bioma, celebrado em 28 de abril. O evento está sendo realizado no auditório Senador Jutahy Magalhães e integra a programação dos 30 anos da Companhia de Desenvolvimento de Ação Regional (CAR), uma iniciativa do Projeto de Conservação e Gestão do Bioma Caatinga Gef Mata Branca. Um das finalidades da ação é definir estratégias para o planejamento e execução da Declaração da Caatinga, documento que formalizou os compromissos assumidos pelo governo e setores sociais para a promoção do desenvolvimento sustentável do bioma.

 

O parlamentar petista Marcelino Galo, que compôs a mesa de abertura dos trabalhos, além de representar a Frente Parlamentar de Meio Ambiente, comentou a criação da Agência de Assistência Técnica e Extensão Rural, anunciada pela presidente Dilma Rousseff na última semana. "Temos que continuar com os debates. São 30 anos de CAR e é preciso debater mais as políticas para a Bahia, não só sobre as ações para a caatinga, mas também precisamos ressaltar o objetivo da criação da Agência de Assistência Técnica e Extensão Rural, que vai levar avanços tecnológicos a produtores que não têm acesso, principalmente os pequenos e médios", frisa o deputado estadual. Ele ainda avisa que "o governo deve tratar de forma obsessiva, o que significa trabalhar no limite da capacidade, fazendo com que a maioria dos produtores atinja um alto nível de produtividade".

 

No encontro, o deputado, que também é vice-presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia, destacou a importância de se preservar o bioma caatinga. "Temos que preservar esse ambiente de forma determinada, porque não adianta falar do que se abate sobre a caatinga, dos efeitos, se a gente não preserva. Então, acabar e eliminar a produção de carvão, recuperar e regenerar todo esse meio, é uma tarefa que compete a nós. Temos muita responsabilidade, isso faz parte da nossa história, precisamos seguir nessa luta e fazer muito mais", declara Marcelino.

 

Ana Luísa Ribeiro

Ascom do deputado Marcelino Galo

www.marcelinogalo.com

71 3115 5596


Nenhum comentário: