LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

terça-feira, 28 de maio de 2013

Médio Rio de Contas receberá R$ 1,1 bilhão de investimentos privados

Os 16 municípios que compõem o Território de Identidade do Médio Rio de Contas receberam R$ 816 milhões em investimentos privados ao longo do governo de Jaques Wagner. E, para os próximos cinco anos, já tem protocolos de intenções de empresas que totalizam R$ 1,1 bilhão. A informação foi dada pelo secretário do Planejamento da Bahia, José Sergio Gabrielli, hoje (24), durante o encontro Diálogos Territoriais, realizado em Jequié (358 quilômetros de Salvador). Também esteve presente o secretário de Agricultura da Bahia, Eduardo Salles.
Diálogos Territoriais | Médio Rio das Contas - José Sergio Gabrielli
Diálogos Territoriais | Médio Rio das Contas – José Sergio Gabrielli
Coordenado pela Secretaria do Planejamento da Bahia (Seplan), o encontro, que acontecerá nos 27 Territórios de Identidade da Bahia, é uma oportunidade para discutir com a sociedade as grandes temáticas dos Territórios e avaliar as políticas públicas para que sejam feitos os ajustes e correções de rumo necessários.
Entre os investimentos previstos para o Médio Rio de Contas nos próximos anos estão uma termoelétrica, uma empresa do ramo de siderurgia e uma fábrica de polpa de frutas. Esta última, aliás, aproveitará o grande potencial de fruticultura da região, que produz banana, cacau, cajá, manga, cupuaçu, goiaba e laranja. As plantações de graviola, por sua vez, têm crescido e, segundo o secretário de Agricultura, tem firmado a região como uma das maiores produtoras desta fruta no mundo. Há destaque ainda a pecuária leiteira.
“Apesar de, no cenário da economia baiana como um todo, a produção agrícola do Território não se destacar, ela é um polo muito importante”, observou Gabrielli, que, juntamente com o secretário Eduardo Salles, teve, durante o evento, uma reunião com prefeitos e vice-prefeitos do Território do Médio Rio de Contas, da qual participaram também o deputado federal Geraldo Simões e o deputado estadual Isaac Cunha. No encontro, os representantes locais elencaram quais são as principais carências da região.
PRIORIDADES – Entre as solicitações consideradas como prioridade, está a construção de um aeroporto em Jequié. “Muitas empresas demonstram interesse em vir se instalar aqui, mas colocam a ausência de um aeroporto como empecilho”, lamentou o vice-prefeito de Jequié, Sérgio de Gameleira. Ele também reivindica a instalação de uma nova universidade pública no município, o qual hoje já conta com campus da Universidade do Sudoeste da Bahia (Uesb), cuja reitoria fica em Vitória da Conquista.
“Há também problemas em estradas vicinais e carências na área de educação e saúde básica. Também é preciso reforçar e retroalimentar a agricultura”, resumiu José Sergio Gabrielli após a reunião. “É importante colocar a agroindustrialização como prioridade, pois, como já temos a matéria-prima (frutas), é preciso investir no beneficiamento”, acrescentou o secretário de Agricultura.
RODOVIAS – A manutenção e recuperação de rodovias e acessos no Território de Identidade do Médio Rio de Contas recebeu uma aplicação de recursos da ordem de R$ 45,5 milhões em obras já executadas, a exemplo das rodovias BA 330 (trecho Jequié – Pé da Serra), BA 547 (Jequié – Florestal, totalizando 32 km) e BA 120 (Ibirataia – Gandu). Outros R$ 16 milhões estão em execução.
O Território do Médio Rio de Contas agrega 16 municípios, com cerca de 366 mil moradores, o que equivale a uma densidade populacional de 26,53 habitantes por quilômetro quadrado – a Bahia é 24,8 e o Brasil 22,4. Situado em uma área de 10.034,11 km2, o Território de Identidade teve, entre 2000 e 2010, um crescimento populacional de – 6,45, enquanto na Bahia o número foi positivo em 7,1%. Os biomas predominantes são mata atlântica e caatinga (54%).

Nenhum comentário: