LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

quinta-feira, 4 de julho de 2013

DATAFOLHA MANIPULOU AMOSTRAGEM PARA QUE RESULTADO FOSSE DESFAVORÁVEL AO GOVERNO

PESQUISA DE AVALIAÇÃO DA PRESIDENTA DILMA ROUSSEF DO ULTIMO FIM DE SEMANA: DATAFOLHA MANIPULOU AMOSTRAGEM PARA QUE RESULTADO FOSSE DESFAVORÁVEL AO GOVERNO.

É exatamente o que mostra uma análise comparativa da amostragem do Datafolha com dados oficiais do Tribunal Superior Eleitoral, o TSE, referentes a escolaridade do eleitorado brasileiro atualizados até Maio de 2013.
O Datafolha entrevistou 4.717 pessoas em todo Brasil, sendo 1.818 pessoas que representam 38,4% da amostragem com escolaridade até o Ensino Fundamental, outras 1.982 pessoas que representam 42% da amostragem com escolaridade até o Ensino Médio e 925 pessoas que representam 19,6% da amostragem total com escolaridade á nível de Curso Superior.
Essas informações referentes a amostragem usada pelo Datafolha em relação a pesquisa estão no link https://docs.google.com/file/d/0BwNK3WsXNyivSXF0SEF2NVRVdVk/edit?pli=1 com o relatório completo e a página onde estão citadas as cotas utilizadas pelo Datafolha com os números demarcados.
De acordo com os dados atualizados do Tribunal Superior Eleitoral, o TSE, a distribuição do eleitorado brasileiro por escolaridade é bem diferente das cotas de entrevistas utilizadas pelo Datafolha:
Como podemos constatar na tabela acima, de acordo o TSE, hoje, 7,8% dos eleitores brasileiros chegaram até o nível de Ensino Superior. O Datafolha, no entanto, trabalha com uma cota de 19,6% de entrevistas com pessoas que responderam ter Curso Superior na sua pesquisa, portanto, 11,8% acima dos números do TSE.
No mesmo relatório do Datafolha o número de entrevistados dos que responderam ter estudado até o Ensino Médio foi 42% do total da amostra, enquanto que de acordo com dados do TSE os eleitores que chegaram até o ao Ensino Médio são 34,7%, portanto uma defasagem 7,3 acima dos números do TSE.
Em relação a cota de entrevistados do Datafolha por Escolaridade que responderam na pesquisa ter estudado até o Ensino Fundamento temos 38,4% do total de 4.717 da Amostragem. Quando comparamos esta cota com os números dos dados do TSE, no Brasil são 51,9% os eleitores com escolaridade até o Ensino Fundamental, portanto uma diferença de 13,5 pontos percentuais a mais que a cota utilizada pelo Datafolha.
Comparando os estratos de entrevistas do Datafolha por Escolaridade á nível Superior e Ensino Médio, onde a amostragem foi aumentada com o resultado da pesquisa que esta no link indicado acima  na página 18 percebemos que foi nestas cotas de entrevistas é que aconteceram, de acordo com o Datafolha, as quedas na avaliação positiva de Dilma Roussef. Por outro lado, quando analisamos a cota de entrevistados com Ensino Fundamental na amostragem do Datafolha, que foi diminuída pelo instituto em relação aos números oficiais do TSE, constatamos que foi onde a avaliação do mandato de Dilma perdeu menos pontos, segundo o Datafolha.
Conclusão
A pesquisa do Datafolha esta enviesada para ter um resultado desfavorável na avaliação do mandato de Dilma Roussef, se as entrevistas tivessem sido feitas com amostragem, com os números do TSE, obviamente que a avaliação positiva da presidenta seria maior para o Ótimo e Bom e menor para o Regular, Ruim e Péssimo.
O resultado desta pesquisa esta sendo usado politicamente para tentar enfraquecer o apoio político ao Governo Federal, principalmente em relação a proposta do plebiscito pela Oposição e seus aliados na mídia tradicional, principalmente, a Folha, o Estadão e a Rede Globo.
Isso precisa ser esclarecido para a sociedade porque é uma manipulação em favor dos partidos de oposição á direita, principalmente o PSDB, o DEM e o PPS ou seu sucessor.

Flávio Luiz Sartori
Blog “A Essência Além da Aparência”

Nenhum comentário: