LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

terça-feira, 30 de julho de 2013

Lideranças programam lançamento da candidatura de Emiliano José a deputado federal


 

Lideranças programam lançamento da candidatura de Emiliano José a deputado federal


Cerca de 50 lideranças políticas, sindicais e comunitárias, de Salvador e interior da Bahia, reuniram-se sábado (27), no auditório do Pituba Plaza Hotel, para debater a conjuntura nacional e baiana. Eles  unificaram em torno da candidatura de Emiliano José a deputado federal, pelo PT. Com o debate, querem entender a natureza das manifestações de rua que tomam conta do país.

Para isso, Emiliano José convidou os professores Vitória Espinheira e Paulo Henrique Almeida. "As manifestações fazem parte de uma crise mundial da democracia representativa ocidental, vieram para ficar, são apartidárias, rejeitam as instituições, não aceitam partidos políticos e suas reivindicações são fruto de insatisfações, críticas, e revolta contra a incapacidade de o Estado atender as necessidades dos cidadãos". Essa foi a síntese das reflexões.

INDIGÊNCIA TEÓRICA - O professor Paulo Henrique criticou as primeiras reações da esquerda em relação às manifestações de rua, em particular "à indigência teórica de nosso Partido dos Trabalhadores". Desde que o PT tornou-se governo incorporou o discurso padrão da ação, da prática e pouca gente se dedicou à pesquisa e formação. "Paramos de pensar o planeta". Assim, quando explodiram as manifestações, a reação coletiva foi de surpresa. Alguns militantes passaram a repetir: "mas que porra é essa?"; outros passaram a hostilizar os manifestantes, taxando o movimento de reacionário, poucos compreenderam "o direito de ter direitos" da multidão que está indo às ruas.

Paulo Henrique: "ontem, imaginem, li um post no facebook afirmando que os EUA estão financiando as revoltas no mundo inteiro, outro post creditou o movimento ao "ouro de Moscou", assim, voltamos à Guerra Fria". Para ele, tem-se que ver o Brasil dentro do planeta Terra, tais movimentos, cada qual com suas especificidades nacionais e culturais, vêm acontecendo desde os anos 90 (Seatlle, primavera árabe, Walt Street, em toda parte, Grécia, Espanha e movimentos indígenas no Peru e Equador etc)

CRISE DA DEMOCRACIA - O que há de comum nestes movimentos? Neles há a crise da democracia representativa ocidental, não se vêem representados pelos parlamentos, nem mesmo pela democracia participativa. É um movimento multidinário, descentralizado, sem ordem de comando, integrado por indivíduos que defendem centenas de bandeiras diferentes. Não há a menor possibilidade de atrair essas camadas para os partidos políticos e trata-se de uma nova forma de organização, com uso das redes sociais da Internet. Não se incluem nos conceitos de classe, massa, povo, proletariado. São um novo sujeito – Multidão, com muitas bandeiras, mil cartazes diferentes.

O movimento não é produto do acaso. Faz parte das mudanças que ocorrem no mundo, no capitalismo. As formas de representação política, de organização partidária atuais estão ficando para trás. Seria um grande erro achar que das manifestações não vai ficar nada. Quem viveu as manifestações de 1968, tanto hippie quanto revolucionárias, sabe que muita coisa mudou a partir delas, a emancipação das mulheres, o movimento negro, as cotas raciais, o movimento ambientalista, a luta pela paz, contra o consumismo, contra o racismo etc têm o DNA da ruas de 68. Também as atuais manifestações deixarão seu legado.

Claro que a direita e o PIG tentaram capturar as manifestações, até zumbis integralistas, anarquistas e nazistas apareceram, mas, também a esquerda e a extrema-esquerda tentaram fazer as mesma coisa. Todos os partidos, sindicatos chapas-brancas foram rechaçados. Este movimento vai passar por cima do "stablishment", que somos nós, e quem está nas ruas é o poder constituinte. Portanto, precisamos de novo pensamento, novas estratégias, não mais recorrendo aos escritos de Lênin ou à social-democracia alemã.

AS PISTAS ESTÃO NO AR - Temos que pensar uma estratégia para o século XXI. As pistas estão no ar. Eles querem o direito à cidade, mobilidade, passaporte universal abertura para emigração. Os sindicalistas têm que lutar pelos direitos dos trabalhadores ilegais bolivianos no Brasil, os médicos têm que aceitar a importação de médicos cubanos. "O fato é que o capital transita com total liberdade no planeta, e o trabalho não estão tendo este direito".

Sim, as pistas estão no ar. Por que a elite ataca tanto Lula? Por que Lula fez uma revolução, distribuiu renda, ampliou a classe média, surgiram trabalhadores consumidores. Eles querem livre acesso ao conhecimento, à rede digital sem controle, preservação do meio-ambiente, do estoque de peixes, da paisagem, da ventilação nas cidades, o que significa a defesa do "comum". Educação passa a ser vital. Só haverá possibilidade de sobrevivência digna com acesso à educação e à rede livre. E a idéia predominante no Movimento Passe Livre, por exemplo, é a do aqui e agora, uma nova sociedade, uma nova cidade, um mundo "sem catraca". No movimento estudantil, em particular, rejeita-se o "discurso marxista" e o PT é muito criticado pela violência policial.

E O PT COMO FICA? Há possibilidade de uma caminhada virtuosa? Houve um consenso na reunião de líderes. Repensar a política, defender o legado de dez anos do PT no governo, as conquistas sociais com distribuição de renda. Os discursos confirmaram a candidatura de Emiliano José a deputado federal. Giuseppe Cocco, Antonio Negri foram autores citados. Em particular, uma citação de Cocco: "O programa Bolsa Família é contra a lógica do capital, daí a ofensiva da mídia". E como disse Lula: "não vamos falar de porta de saída, vamos falar de porta de entrada". Ao final, a disposição de enfrentar o debate, o que o PT construiu, com números, consistência, e com novo olhar.

E logo partiram para o mapeamento eleitoral, planejamento, divisão de tarefas, possibilidades de alianças, participação ativa no PED – a democracia interna que só o PT possui. A candidatura de Emiliano José a deputado federal está nos trilhos. As reuniões se sucederão. Na capital, na região metropolitana no interior.  

Nenhum comentário: