LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Direitos Humanos: “Nem um dia a perder, nenhum esforço a desperdiçar”, diz Galo na posse da Comissão da Verdade






O presidente da Comissão Especial da Verdade da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), o deputado estadual Marcelino Galo (PT), acompanhou, na manhã desta terça-feira (20), a solenidade de posse da Comissão Estadual da Verdade, em Salvador. O parlamentar destacou que as ações das comissões serão em rede com a bancada nacional por meio de um termo de cooperação técnica, que será reproduzido com as demais comissões baianas, começando pelo colegiado criado pela Câmara Municipal de Vitória da Conquista.

 

A intenção é apurar e esclarecer as violações de direitos humanos praticadas no período da ditadura militar (1946-1988), para contribuir com a efetivação do direito à memória e à verdade histórica e com a promoção da reconciliação nacional. "Nem um dia a perder, nenhum esforço a desperdiçar. Por isso já estamos participando das reuniões do Comitê Estadual da Verdade, junto com dezenas de entidades da sociedade comprometidas com o resgate histórico que a ditadura tentou enterrar. Essa articulação será fundamental porque nenhuma comissão, nem mesmo a nacional, tem as condições ideais para uma tarefa tão grande", argumenta o deputado.

 

Galo ainda lembrou que existe a tramitação do requerimento na Assembleia da Bahia pedindo a devolução, de forma simbólica, de 13 mandatos de deputados estaduais cassados na ditadura. "Mas não nos contentaremos com símbolos, queremos revelar os fatos para as famílias e a sociedade saberem que reconhecemos os erros desse período de chumbo". A Comissão da Verdade na Bahia está montada com a participação de Amabília Almeida, Antônio Walter Pinheiro, Carlos Navarro Filho, Dulce Tamara Lamego Silva e Aquino, Jackson Chaves de Azevedo, Joviniano Neto e Vera Leonelli.

 

Ascom do deputado Marcelino Galo

www.marcelinogalo.com

71 3115 5596


Nenhum comentário: