LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Marcelino Galo diz que Targino deveria seguir o Papa e ser mais humilde


Sobre o pronunciamento do deputado Targino Machado (sem partido), de que o PT teria comprado lideranças políticas do PMN, para não realizar a fusão com o PPS e criar o MD, o petista Marcelino Galo rebate o parlamentar e considera a fala "desesperada". "O nobre deputado deveria seguir o Papa Francisco e ser mais humilde em vez de querer ser a palmatória do mundo. Já existimos há 33 anos e somos um partido de raízes ideológicas e voltado para os movimentos sociais".

 

Para o deputado e ex-presidente estadual do PT, Targino procura culpados para o naufrágio do MD e deixa a emoção falar mais alto que a razão. "Ele tem que ser responsável pelo que diz e provar se houve compra e venda", alerta o petista. Galo diz também que o PT pede mais rigor na criação de novos partidos, para não serem criadas legendas de aluguéis para políticos perdidos ideologicamente.

 

"Na reforma política em debate, sugiro maiores critérios, assim como o partido do qual ajudei a fundar cobra, para a criação de novos partidos. Acredito que essa reforma deva fortalecer as siglas já existentes, que reforcem suas ideologias e que fujam dos financiamentos privados de campanha para evitar corrupção. Acredito ainda que o assunto financiamento público deve ser mais um caminho para aprofundar os debates e não vire um entrave partidário", completa.

 

Ascom deputado Marcelino Galo

www.marcelinogalo.com

71 3115 5596





Nenhum comentário: