LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Audiência Pública na Assembleia Legislativa fará homenagem a Giocondo Dias

Detalhes
Publicado em Quarta, 16 Outubro 2013 16:56
A Comissão da Verdade da Assembleia Legislativa da Bahia aprovou, na manhã desta quarta-feira (16) por unanimidade, sugestão feita por seu presidente, deputado Marcelino Galo (PT), de transformar a reunião do colegiado do dia 20 de novembro em uma audiência pública para homenagear o ex-deputado Giocondo Dias. O horário da realização do evento ainda será oficializado.

Militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB), defensor da classe operária, da democracia e do socialismo, Giocondo Dias teve participação muito importante na luta pela redemocratização do Brasil. No dia 18 de novembro ele faria 100 anos. De acordo com Marcelino o objetivo da audiência do dia 20 é fazer uma justa homenagem a este brasileiro, contemporâneo de Carlos Marighella, João Falcão e Jorge Amado, que teve participação destacada em nossa história política. "Giocondo esteve ao lado do povo brasileiro na luta para construir nossa democracia. Fez a luta libertária", frisou o deputado petista.

Giocondo Gerbasi Alves Dias nasceu no Centro Histórico da capital baiana em 18 de novembro de 1913. Passou sua infância entre os bairros do Santo Antônio Além do Carmo, Saúde e Tororó. O convívio com seu tio Federico Gerbasi, sapateiro e anarquista, e com o poeta Alberto Campos, aproximou Giocondo dos ideais revolucionários.

No dia 2 de abril de 1932, em Recife, ingressou no exercito brasileiro através do 21º Batalhão de Caçadores. Cabo Dias ou Camarada Dias, como também passou a ser conhecido, também liderou em 1935 o revolucionário Levante Comunista, que indicou membros do Governo Popular da República Brasileira, cuja permanência no poder foi de quatro dias. Esse foi considerado o terceiro regime de inspiração soviética no Mundo. Camarada Dias participou da Luta Armada, viveu na clandestinidade, foi preso e torturado, sofreu várias tentativas de assassinato, mas morreu em 07 de setembro de 1987 aos 73 anos, em sua residência, em decorrência de um tumor no cérebro. Deixou como legado seus 52 anos de militância política e revolucionária em defesa da Bahia e do Brasil. 


Keila Ramos Pereira
Assessoria do Deputado Estadual Marcelino Galo
Telefone: + 55 71 3115 7253

recebido por e-mail



Nenhum comentário: