LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Tribunal de Justiça julga ação contra uso de agrotóxico


Tribunal de Justiça julga ação contra uso de agrotóxico

 

 

A permanência ou suspensão de uma liminar contra o uso, a aplicação e a importação de um agrotóxico, liberado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), está sendo julgada desde a manhã desta quarta-feira (27), no Tribunal de Justiça da Bahia.

Trata-se de venenos que tenham em sua composição o benzoato de amamectina, substância que causa problemas no sistema neurológico das pessoas e que foi liberado pelo MAPA, em que tenha sido cumprida as exigências previstas em lei, sob o argumento de ser uma ação emergencial de combate à ação de uma lagarta que vem atacando as lavouras de soja e algodão no Sul da Bahia.

O deputado estadual Marcelino Galo, que é vice-presidente da Comissão de Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), acompanhou a sessão e comentou a ação do MAPA. "Esse agrotóxico é muito problemático para o meio ambiente e para a saúde humana. Todas as análises laboratoriais e teste que deveriam ser feitos para esse agrotóxico ser trazido para o país não foram respeitadas. Vamos aguardar a posição dos desembargadores para que eles venham a resgatar a liminar que suspendia o uso e que foi derrubada, pois entendemos que, mais importante que a economia, é a saúde das pessoas", pontua Galo.

O deputado participou ainda do encontro Nacional que debate a atuação do Ministério Público Brasileiro no combate ao uso indiscriminado de agrotóxicos, no Ministério Público da Bahia. 


Fonte: Recebido por e-mail

Nenhum comentário: