LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Rui13 - A verdade por trás da Veja




A história de Rui Costa começou como a da maioria dos brasileiros: com uma infância pobre, humilde. Nascido em Salvador, em 1963, Rui cresceu no bairro da Liberdade com mais três irmãos. A realidade era difícil, mas a família sempre batalhou muito. Seu Clóvis, o pai, era metalúrgico. Dona Luzia, a mãe, dona de casa. E também uma guerreira, um exemplo.
Rui sempre estudou em escola pública, sofreu pela falta de oportunidades, e foi graças à dedicação de sua mãe que conseguiu fazer um curso e assim realizar o sonho de ingressar numa Escola Técnica Federal. Mais tarde, se formou em Economia na UFBA, onde também fez mestrado.
A vida política começou com o primeiro emprego, no Pólo Petroquímico de Camaçari. Rui sempre foi um cara de luta e acabou se tornando líder de movimentos sindicais. Foi nessa época que se filiou ao PT do ex-presidente Lula e, ao lado de Wagner, ajudou a fundar o partido aqui na Bahia.
Sempre com foco nos que mais precisam, Rui seguiu em frente. Foi duas vezes vereador, atuando em muitas conquistas para os trabalhadores, jovens e pela inclusão social; também foi secretário das Relações Institucionais do governo Wagner; depois deputado federal; e, por fim, assumiu a chefia da Casa Civil da Bahia.
Tornou-se um grande parceiro de Lula e Dilma na realização de obras importantes aqui no estado, em conjunto com o governo federal, como o Água para Todos, o Minha Casa, Minha Vida e o metrô de Salvador.
Hoje, casado e pai de três filhos, Rui ainda tem um grande sonho para realizar. O sonho de avançar ainda mais esse projeto de uma nova Bahia que ele viu nascer nas eleições de 2006 e que tanto ajudou a dar forma. Político experiente, de mãos limpas, reconhecido por sua competência, Rui tem todos os requisitos para ser o novo governador do nosso estado. E fazer muito mais por todos os baianos.

Nenhum comentário: