LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

terça-feira, 28 de abril de 2015

Letícia Sabatella vê ‘sombra coletiva terrível’ em manifestações

Letícia Sabatella vê ‘sombra coletiva terrível’ em manifestações

“Existe uma sombra coletiva terrível, racista, fascista, homofóbica, egoísta nesse estilo de manifestação que está acontecendo. Tem muita gente entrando nessa ‘vibe’ de ‘inocente útil’”, diz atriz ao Estadão

Divulgação/TV Globo
Letícia Sabatella sobre atual onda de protestos: "Tem muita gente entrando nessa ‘vibe’ de ‘inocente útil’"
Atriz conhecida também por seu engajamento político, Letícia Sabatella demonstra desconforto com as manifestações que levaram milhões de brasileiros às ruas em março e abril. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, Letícia disse que não participou dos protestos pró-impeachment por enxergar no movimento “uma manipulação extremamente errônea de uma necessidade de mudança”. Para ela, falta consciência à maioria dos manifestantes e sobram suspeitas em relação aos propósitos dos organizadores das manifestações.
“Temos pelo que protestar, com certeza. Mas não se está consciente da necessidade disso. E existe uma sombra coletiva terrível, racista, fascista, homofóbica, egoísta nesse estilo de manifestação que está acontecendo. Tem muita gente entrando nessa ‘vibe’ de ‘inocente útil’. É como eu vejo. Mas claro que tem pelo que se lutar. Por exemplo, uma reforma política urgente”, defendeu.
No início de março, a atriz pediu a retirada de um vídeo que utilizava indevidamente sua imagem e de outros artistas para convocar os manifestantes para os protestos do dia 15 daquele mês. O vídeo original, na verdade, dizia respeito a uma campanha contra a construção da Usina de Belo Monte. “Isto é mentira deslavada! De novo fazem mal uso de nossa imagem”, escreveu em sua página no Facebook. “Por favor, retirem este post com imagens do Gota D’água que manipularam para fomentar este GOLPE contra a DEMOCRACIA do Dia 15! Eu, Leticia Sabatella, não compactuo com isto!”, completou.
Na entrevista ao Estadão, Letícia também criticou as reações de religiosos ao beijo gay das personagens de Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg, na novela Babilônia, da TV Globo. “É um boicote fundamentalista”, classificou. “A não aceitação do amor verdadeiro como ele acontece, a busca da felicidade legítima. A grande censura é hipócrita. Ela quer que as pessoas finjam o que não são, que sejam oprimidas mesmo”, acrescentou.
Militante dos direitos humanos, Letícia já se reuniu diversas vezes com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e dirigiu um documentário sobre os índios Krahô, no Tocantins. Também esteve no Congresso Nacional para se posicionar contra a PEC do Trabalho Escravo.

Nenhum comentário: