LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

terça-feira, 21 de julho de 2015

Lava Jato: Delegado da PF denuncia adulteração de provas por parte dos colegas dele

Lava Jato: Delegado da PF denuncia adulteração de provas por parte dos colegas dele

Mário Fanton, enviado a Curitiba-PR para investigar vazamentos nas investigações, delatou colegas da Polícia Federal que manipularam provas
Matéria publicada nos diários Jornal do Brasil e Folha de S.Paulo mostram que delegados e agentes da Polícia Federal, simpatizantes da candidatura do senador Aécio Neves (PSDB-MG), manipularam provas na Operação Lava Jato, que apura suposta formação de cartel por empreteiras que fornecem à Petrobras.
Conforme reportagem da Folha, um delegado da Polícia Federal que foi a Curitiba apurar vazamentos da Operação Lava Jato relatou ter sofrido pressão dos colegas do Paraná e recomendou que a sindicância sobre a escuta na cela do doleiro Alberto Youssef fosse refeita.
Segundo também apurou o JB, a informação consta em um despacho interno do delegado Mário Fanton de maio, no qual ele afirma ter presenciado “uma participação direta do delegado de Polícia Federal (DPF) Igor Romário de Paula” e de outra delegada “para quererem ter ciência e manipular as provas”.
Fanton foi a Curitiba, de acordo com o jornal, para apurar boatos sobre vazamentos das investigações para a confecção de um dossiê com o objetivo de anular a Lava Jato, o que teria gerado insatisfação e desconfiança dos delegados da operação.
“Sugiro que o Ministério Público Federal (MPF) reanalise as provas, inclusive a sindicância da escuta clandestina, se possível refazendo-a, e conduza diretamente a presente investigação ou com grande proximidade a um novo delegado a se indicar, pois não acreditamos mais nas provas antes constituídas”, escreveu Fanton.
Este é mais um episódio que desacredita as investigações feitas pela PF e também pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, responsável pelo caso. Matérias publicadas no mês de dezembro de 2014 em periódicos do Paraná, e reproduzidas no portal Brasil247, dão conta que Rosângela Wolff de Quadros Moro, esposa do juiz é assessora jurídica de Flávio Arns (PSDB-PR), que é vice do governador do Paraná Beto Richa (PSDB-PR).
Reportagem do jornal Estado de S.Paulo, publicada em 13 de novembro do ano passado também mostrou que delegados encarregados das investigações da Lava Jato exaltavam o candidato Aécio Neves (PSDB-MG) e criticavam em seus portais no Facebook a presidente Dilma Roussef (PT-MG) e o ex-presidente Lula (PT-SP). Sob o título “Delegados da Lava Jato exaltam Aécio e atacam PT na rede” a matéria da jornalista Júlia Dualibi revelava que “durante a eleição, perfis de policias que investigam o escândalo na Petrobras chamam Lula de ‘anta’ e replicam conteúdo crítico a Dilma”.
Por este viés ideológico, clamaramente anti-PT, confissões conseguidas por meio do prolongamento das prisões arbitrárias e pelos vazamentos irresponsáveis de depoimentos que deveriam estar protegidos pelo segredo de Justiça, que vários advogados que defendem investigados pela Lava Jato e juristas de renome entendem que a operação deve ser anulada.
Economista adverte: Lava Jato pode levar o Brasil à depressão
lava jato2
O economista Gesner Oliveira, ligado ao PSDB, fez uma grave advertência em artigo publicado na Folha de S.Paulo: as arbitrariedades cometidas pelo juiz Sérgio Moro na Operação Lava Jato podem levar o País a uma depresssão econômica.
Gesner é insuspeito para fazer qualquer análise sobre a operação. Não é ligado ao governo federal ou ao PT, partido que tem sido caçado por Moro e pelos delegados aecistas na Lava Jato. Conforme revela o jornalista Fernando Brito, do portal Tijoço. Gesner Oliveira foi um dos principais conselheiros da campanha de José Serra, em 2010, e foi indicado pelo senador tucano para a direção da Sabesp, depois de ter sido dirigente do Conselho Administrativo de Defesa a Econômica (o Cade que, em tese, tem o dever de impedir a formação de cartéis monopólios) no governo Fernando Henrique.
Mas até Gesner se diz chocado com os danos ao Brasil causados pelo que está sendo feito pela mídia e pelo juiz Sérgio Moro, em artigo publicado hoje na Folha, assinado também pelos seus dois sócios, Fernando Marcatto e Pedro Scazufca:
“Exercício simples utilizando dados do IBGE mostra que o potencial de destruição de renda e emprego de uma Operação Lava Jato mal conduzida pode custar mais de R$ 200 bilhões em termos de PIB e mais de dois milhões de empregos.”
Fernando Brito avalia que os dados de Gesner mostram a política de “terra arrasada” com que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) pretende inviabilizar o funcionamento do governo:
“R$ 200 bilhões são 4% do Produto Interno Bruto do Brasil e dois milhões de empregos representam 5% de todos os trabalhadores formais do País!”, atesta.
Para Brito, aquilo que Oliveira chama de “excessos e espetaculariazação da Lava Jato” representa “um passo na direção de algo pior que a recessão vivida atualmente: a depressão”.
Na opinião de Brito, o Judiciário, o MP e a Polícia Federal (que está sob a autoridade do ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso) devem promover, no mínimo, uma “freada de arrumação” nos vazamentos sórdidos que se produzem na 13ª Vara da Justiça Federal do Paraná. (Com informações do site Tijolaço)

Nenhum comentário: