LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

terça-feira, 21 de julho de 2015

O Ministro Cardozo tem paura, peur, angst, miedo, phóbos

O Ministro Cardozo tem paura, peur, angst, miedo, phóbos

Os jornais destacaram a parte mais irrelevante e óbvia do depoimento do Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo à CPI da Petrobras: a de que doações legais a campanhas políticas podem ser criminalizadas se forem fruto de propina e o beneficiário tiver ciência disso. Cardozo limitou-se a dizer o óbvio.
No seu depoimento, o que espantou foi a total alienação do chefe da Polícia Federal, ele próprio, em relação às atividades da sua tropa.
Cardozo eximiu-se de qualquer responsabilidade invocando o tal "republicanismo". Admitiu que vazamentos de depoimentos sigilosos são crimes. Mas admitiu como se fosse um mero observador referindo-se a um episódio distante sobre o qual não teria nenhuma ingerência.
Ora, delegados da PF e procuradores são, no mínimo, cúmplices daquilo que o Ministro admite como crime; no máximo, seriam autores. E o Ministro, chefe maior da PF, admite o crime e informa que foi aberto um inquérito para apurar, mas que ele não está acompanhando.
A falta de comando dividiu a outrora eficiente PF em grupos políticos se digladiando internamente. A corporação cuja meta, em algum momento da década passada, era se tornar tão eficiente quanto o FBI, hoje está envolvida em lutas intestinas, sendo instrumento de disputas políticas externas, das quais o principal alvo é o governo ao qual Cardozo supostamente serve.
Cardozo abandonou-a à sua própria sorte e comprou blindagem contra críticas deixando a tropa solta, indisciplinada. Parece um general, em plena guerra, entregando os pontos e negociando a rendição previamente com os inimigos.
Definitivamente, não é  "republicanismo" interromper o processo de modernização e profissionalização da PF, abandonar totalmente a integração de dados com outras polícias, tirar o corpo totalmente da mediação da questão indígena, não cobrar a PF quanto a um vazamento - a infausta capa da Veja na véspera das eleições - que quase custa a vitória à sua presidente e sequer cobrar do delegado-geral explicações sobre suas declarações de que o MInistro da Justiça só pode ter ingerência administrativa sobre a PF.
O que o Ministro Cardozo tem, é fácil de diagnosticar. Em qualquer idioma, o diagnóstico correto é medo, paura, peur, angst, miedo, phóbos.
Quanto à sua chefe suprema, ainda não se chegou a um diagnóstico sobre o fato de manter no leme da Justiça o piloto do Titanic, mesmo depois de abalroado sucessivamente por todos os icebergs lançados por seus insubordinados.
A frase mais eloquentes de Cardozo é um acinte:  "Temos de parar com aquela mania de proteger os amigos e pedir punição para os inimigos". Para um partido - o dele - em que as principais lideranças foram punidas com prisão e perda de direitos políticos, e que atualmente é alvo de uma operação que isentou - contra todas as evidências - o presidente do partido contrário, a frase soa irônica.
A frase correta deveria ser: "Temos de ganhar a coragem de pedir punição não só para os amigos como para os adversários que cometam crime".

Fonte: Jornal GGN

Nenhum comentário: