LULA 2018

"Lula é odiado porque deveria dar errado e deixar em paz as elites para seguirem governando o Brasil por muito tempo. Um ódio de classe porque ele é nordestino, de origem pobre, operário metalúrgico, de esquerda, líder máximo do PT, que deu mais certo do que qualquer outro como presidente do Brasil. Odeiam nele o pobre, o nordestino, o trabalhador, o esquerdista. Odeiam nele a empatia que ele tem com o povo, sua facilidade de comunicação com o povo, a popularidade insuperável que o Lula tem no Brasil. O prestígio que nenhum outro político brasileiro teve no mundo", diz Emir Sader, em resposta aos que já o apontam como ameaça à democracia, de olho em 2018; "Quem odeia o Lula, odeia o povo brasileiro, odeia o Brasil, odeia a democracia"

REVISTA BR247 EDIÇÃO #29 - 6 DE MARÇO DE 2015

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Dom Orvandil, bispo da Diocese Brasil Central

DOM ORVANDIL,  in Brasil 247 – 2 de julho de 2016


Prezado amigo Terapeuta Eduardo Campaña, Quito, Equador


Hoje me surpreendi com um vídeo que girou pelo what1s app com uma pessoa fazendo o papel de repórter entrevistando outras que ela denominou de "coxinhas".  Estas se reuniam em forma de protesto com bandeiras, faixas e gritos "fora Temer".


A entrevistadora perguntou ao grupo o que aconteceu se antes gritaram "fora Dilma". A resposta foi reveladora do quadro nublado e confuso para muitas pessoas. "Enganaram-nos dizendo que Dilma era corrupta e em troca nos deram Temer, que é, ele sim, corrupto e está acabando com todos nós. Agora queremos que a Dilma volte para salvarmos o Brasil enquanto é Brasil", disseram as entrevistadas.


Nota-se muita ira contra Temer por toda a parte no Brasil, inclusive pelo mundo a fora. Assim o indicam as pesquisas de opinião mostrando o governo golpista em flagrante declínio de avaliação.

Quem era raivosamente contra Dilma e, agora, honestamente, revisa sua posição, pede a volta da Presidenta gritando pela expulsão de Michel Temer do governo.


Gritar "fora Temer" com tanto desprezo por ele e com unanimidade crescente, como não acontecia desde a ditadura, nos faz perguntar por que.


Como já escrevi neste blog várias vezes, a primeira causa da rejeição é o povo ser abastecido por notícias veiculadas pela internet e pelos movimentos sociais revelando o caráter traidor de Michel Temer, muito diversas do noticiário  imposto pela mídia familiar e golpista. A traição é a forma com que ele e seu grupo de assaltantes chegaram ao poder. Isso dá muita raiva popular. O povo não gosta de seus traidores. Prefere muitas vezes um corrupto que rouba mas faz do que um traidor que nada faz pela sociedade na sua maioria.


Segunda, porque a traição redunda em golpe. Temer traiu para dar um golpe de Estado ferindo a democracia. Ou para dar um golpe acalentado por ele e sua turma, traiu.

O debate sobre o falso impeachment afirma que o golpe de Estado se caracteriza por rasgar a Constituição.


Isso equivale a rasgar o Alcorão para os Islamitas, a Torah para os judeus e a Bíblia para os cristãos, tirando toda a referência de valores para as comunidades.


Golpes anteriores suspenderam a Constituição do Brasil enquanto grupos espúrios afrontaram a democracia e pisaram na soberania nacional, vendendo o País, vomitaram nos direitos humanos ao ponto de destruir a liberdade de organização e de edificação da cidadania.


Além de afrontar as eleições que conduziram a Presidenta Dilma ao executivo federal, já em si ato de significado hediondo, o golpe já sinaliza com destruições de conquistas recentes mais fundamentais para o País e para o nosso povo.


Este governo interino golpista acelera a destruição do SUS, dos direitos dos velhos, dos trabalhadores e na aplicação do terror na perseguição de lideranças jovens, intelectuais e trabalhistas, como se tivesse que servir a alguém a quem se submete.


Os solavancos que o golpe provoca no orçamento nacional fazem o País tremer e suar frio, sobressaltado. Os custos em bilhões de reais já nos fazem calcular o quanto o golpista e traidor Michel Temer danificará a todos nós economicamente. Depois o indigitado mesquinhamente corta gastos na manutenção do Palácio da Alvorada com a Presidenta Dilma, que é direito dela, e ameaça encolher os investimentos em todos os programas sociais.


Isso tudo e muito mais é o golpe de Estado aplicado pelo traidor Temer. O golpe se evidencia em consequências reais nas nossas vidas e não num Brasil abstrato. 


Mas, como acontece com a realidade na sua dinâmica contraditória, o povo começa a se dar conta de que caiu numa enroscada com as mentiras da mídia e com o ódio da direita, na sua ladainha falsa de combate à corrupção.


Os apelidados de coxinhas já começam a perceber que o "fora Dilma e lava junto o Lula e o PT" não passava de um slogan repetitivo nascido das redações de revistas e jornais de tendência racista, branca e fascista com a intenção de enganar o povo e de criar fábricas de coxinhas, enroladinhos e boiadas sem reflexão.


A Presidenta Dilma cada vez mais se conscientiza de que a aliança com a turba de uma confederação de mesquinhos e suspeitos de desvios de poderosas riquezas públicas, sempre levados pela pobreza de espírito dos que se apossam do Estado e das estatais em benefício próprio, comportamento de que é exemplar Eduardo Cunha, foi um erro que desviou seu governo da agenda nacionalista e do desenvolvimento sustentável com maior e mais profundo compromisso com a justiça social. Numa entrevista ao jornalista Kiko Nogueira, do site Diário do Centro do Mundo, perguntada sobre Michel Temer ser escolhido como seu vice-presidente respondeu que não tinha como adivinhar seu caráter traidor e ainda que "faz parte da traição a pessoa não mostrar suas reais intenções. Se mostrasse, não seria traidor", disse a Presidenta. Portanto, ela é corajosa e não vitimista, pronta a reconstruir um governo que seja fiel com as propostas que emergem da sociedade organizada.


Os movimentos sociais atuantes na Frente Brasil Popular e na Povo Sem Medo, que combatem permanentemente o golpe, sabem que a luta tem que incluir toda a sociedade, aproximando mortadelas e coxinhas, como se diz popularmente, na limpeza para arrancar os traidores do governo e recompor uma agenda de interesse da Nação, do povo e da retomada do desenvolvimento, corrigindo erros cometidos pelo segundo governo Dilma.


Medidas fortes têm que ser tomadas nos próximos dias. Uma delas é a de preparar uma poderosa greve geral que ponha de joelhos os golpistas e os expulse do senário do Estado.


"Fora Temer" é mais do que grito indignado, mas mobilização inquestionável muito além das redes sociais com o povo nas ruas e, ao mesmo tempo, ocupando os ministérios, o SUS, o Banco Central, o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e parando o Brasil para dispará-lo liberto do golpe!

Crianças, adolescentes, jovens, adultos, mulheres, homens e velhos, a maioria do povo brasileiro, temos que nos dar as mãos para a empurrada final contra a desgraça golpista que, se não a enfrentarmos agora, nos destruirá por décadas.


  • Abraços críticos e fraternos na luta pela justiça e pela paz sociais.

  • Dom Orvandil, OSF: bispo cabano, farrapo e republicano, presidente da Ibrapaz, bispo da Diocese Brasil Central e professor universitário, trabalhando duro sem explorar ninguém.

     

Recebido por e-mail

Nenhum comentário: